Arquitetos de São Paulo são escolhidos para projetar Centro de Ensino Infantil em Brasília | aU - Arquitetura e Urbanismo

Edifícios

Notícias

Arquitetos de São Paulo são escolhidos para projetar Centro de Ensino Infantil em Brasília

Trabalho vencedor do concurso público da Codhab-DF garantiu dinâmica de espaços abertos e fechados. Ao todo, houve 84 propostas inscritas

Luísa Cortés, do Portal PINIweb
14/Março/2016

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab-DF) divulgou na última sexta-feira (11) o resultado do concurso nacional de projetos de arquitetura e complementares para o Centro de Ensino Infantil (CEI), localizado no Residencial Parque do Riacho, na região do Riacho Fundo II, em Brasília. Ao todo, foram 84 propostas inscritas.

A vencedora foi a dos arquitetos paulistas Cinthia Duclerc Verçosa Nobre, Christian A. de Almeida Nobre, Ingrid Schmidt Ori e Marlon Rubio Longo, com colaboração de Jonas Bernardi (perspectivas eletrônicas). O grupo receberá R$ 50 mil de premiação, além de assinar posteriormente contrato com o órgão, no valor bruto de R$ 545.466,13.
A ideia do projeto vencedor foi a de apresentar um modelo construtivo com qualidade espacial, conforto ambiental, segurança e adequação ao próprio meio. Foi implementado em dois pavimentos que misturam ambientes abertos e fechados, com 17 pátios.

A continuidade visual através dos pátios e dos vãos de esquadrias proporciona o alargamento do espaço como um todo. A qualidade de reflexão e transparência dos vidros permite que a luz, ao encontrá-los, ora revele as qualidades do interior de uma sala, ora crie outras vistas para os alunos e usuários da CEI. O resultado da proposta é um edifício com grande variação volumétrica, entre cheios, vazios, áreas verdes, espaços sombreados e ensolarados.

Sob o ponto de vista construtivo, a estrutura metálica surge como resposta aos desafios de prazo reduzido e a uma lógica otimizada de módulos construtivos. É usada uma estrutura metálica modular, com perfis "l" parafusados para posterior montagem, e que permite precisão e leveza dos elementos compositivos. Também foram utilizados painéis cimentícios modulados. O conjunto tem como objetivo certificar a qualidade dos componentes e a velocidade e controle dos processos construtivos.

Quanto à infraestrutura, foi proposta uma base de concreto que está em contato com o solo, fazendo, assim, um nivelamento, e permitindo velocidade posterior de construção e montagem da estrutura metálica. As lajes mistas dos pavimentos, em steel deck, fornecem a mesma linguagem e partido da própria estrutura, executadas com telhas metálicas galvanizadas, solidarizadas com o concreto por meio de malha armada, o que resulta em lajes muito planas, leves e bem-acabadas, não sendo necessária a desforma e, pelos vãos utilizados, nem cimbramento.

A alternância dos espaços abertos e fechados busca garantir a correta ventilação e insolação dos ambientes, e deve gerar conforto ambiental aos usuários do prédio. Quanto à incidência solar, além da própria vegetação dos pátios, foram utilizadas proteções térmicas nas vedações internas e externas.

Sobre o projeto, a Comissão Julgadora declarou: "estabelece boas conexões entre áreas verdes e construídas, como entre pátios coberto e descoberto, promovendo espaços agregadores" e, como recomendações, sugeriu que "seja apresentada solução alternativa de circulação vertical que garanta acessibilidade através da rampa", e que seja estudada ainda "proteção às intempéries das circulações internas voltadas ao pátio, principalmente no piso superior".

O concurso tinha como critérios a valorização da acessibilidade e dos espaços públicos, soluções de conforto térmico e eficiência energética, viabilidade técnico-construtiva, economia e eficiência de manutenção, aspectos plásticos e estéticos.

Demais premiados
Em segundo lugar ficou a proposta dos arquitetos paranaense Bernardo Richter, Fernando Caldeira de Lacerda, Pedro Amin Tavares, Helena Engelhardt Wenzel de Carvalho e Guilherme Arnon Schmitt, com colaboração de Priscila Milena Vicentim, Guilherme Figueiredo Teixeira Araújo, e Maria Isabel Seibel Reis. Já na terceira colocação foi premiada a equipe do Estúdio 41, também do Paraná, formada por Emerson Vidigal, Eron Costin, Fabio Henrique Faria, João Gabriel Rosa e Martin Kaufer Goic, com colaboração de Felipe Gomes, Leonardo Venâncio, Marcelo Miotto e Mariana Steiner Gusmão. Os grupos serão contemplados com R$ 20 mil e R$ 8 mil, respectivamente.

Por fim, foram concedidas as seguintes menções honrosas:

- Alexandre Hepner (Arkiz), João Paulo Payar (Arkiz), Rafael Brych (Arkiz), Matheus Marques (Hiperstudio), Ricardo Gonçalves (Hiperstudio), David Melo (Arkiz) e Felippe Duca (Arkiz);

- Taísa Festugato, Matias Revello Vazquez (arquiteto), Juliano Mezzomo (acadêmico), Greice Portal e Rodrigo Salvati (consultores em sustentabilidade);

- Gustavo Alexandre Cardoso Cantuaria, Lucia Kozak Simaan, Daniel Simaan França, Tatiana Barreto e Lucas Rezende.

- João Augusto, Alessio Gallizio, Ana Laterza e Thiago Barbosa.

- Robson Canuto da Silva,Ana Luisa Oliveira Rolim; Isabella Trindade; Rodrigo José Malvim Ramos; Maria Eduarda de Sá Absalão; Rafaela Paes de Andrade Arcoverde; Mateus Araruna Gibson; e Natália Carneiro Leão Rego Barretto.



Destaques da Loja Pini
Aplicativos